Nota de pesar o sobre falecimento do professor Antônio do Nascimento Fernandes


Faleceu na última quinta-feira, dia 10 de março, Antônio do Nascimento Fernandes, mais conhecido como Toninho Canecão, importante liderança quilombola do Brasil. Em 2015, após mais de 20 anos de luta e de esperança, Toninho viu finalmente o Quilombo São José da Serra, em Valença, ser titulado.

Na UFF, Toninho foi, desde os anos 90, professor e pesquisador parceiro de importantes estudos e ações. Atualmente era um dos mestres dos saberes tradicionais do projeto Encontro de Saberes da UFF.

Ainda nos anos 90, contribuiu muito com a Professora Ana Lugão Rios nas pesquisas sobre o período da escravidão e do pós-abolição, trabalho ao qual se juntou a Professora Hebe Mattos e que teve como resultado o livro Memórias do Cativeiro e o documentário com o mesmo título. A colaboração com as professoras Hebe Mattos e Marta Abreu no Laboratório de História Oral e Imagem – LABHOI, do Instituto de História, foi contínua por mais de duas décadas e resultou em muitos trabalhos.

A partir dos anos 2000, Toninho Canecão acolheu no Quilombo São José da Serra outro núcleo de pesquisa e extensão da UFF, o Observatório Jovem, da Faculdade de Educação. Da parceria estabelecida com o Professor Paulo Carrano e com estudantes de graduação e de pós-graduação, resultou o documentário Sementes da Memória.

Toninho Canecão foi um dos fundadores da Associação Quilombola do Estado do Rio de Janeiro – AQUILERJ – e integrou sua primeira diretoria. Também foi importante liderança do movimento jongueiro, que conquistou o registro do Jongo no Sudeste como patrimônio cultural do Brasil, concedido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no ano de 2005. Esse movimento jongueiro teve início em 1996, em um projeto de extensão da universidade, o projeto Encontro de Jongueiros, coordenado pelo Professor Hélio Machado de Castro, na UFF em Santo Antônio de Pádua e realizado em parceria com comunidades do Caxambu do Noroeste Fluminense. 

A partir do ano de 2008, Toninho Canecão e sua esposa, Iracy Gonçalves Fernandes, se envolveram intensamente nas ações de salvaguarda do Jongo no Sudeste articuladas no Pontão de Cultura do Jongo/Caxambu na UFF, programa de extensão resultante dos Encontros de Jongueiros e do registro como patrimônio. Muitas daquelas ações foram desenvolvidas no Quilombo São José da Serra, que sempre as recebia com imensa generosidade. Entre elas, cabe mencionar uma das mais importantes, a primeira reunião da Rede de Articulação de Jovens Lideranças Jongueiras, para a qual Toninho sempre foi uma referência.

Desde a proposta inicial do projeto Encontro de Saberes da UFF, ainda no ano de 2016, Toninho Canecão se engajou no projeto e foi um dos mestres dos saberes tradicionais nas disciplinas ministradas nos anos de 2017, 2018 e 2019.

No ano de 2013, chegou à UFF uma emenda parlamentar do então deputado federal Jean Wyllys, destinada à melhoria da infraestrutura do Quilombo São José da Serra. O deputado ficara impressionado com o discurso de Toninho sobre as comunidades quilombolas ao lhe entregar, em 2012, o Prêmio Orixalé de Direitos Humanos. Procurou a UFF para conhecer mais a história do Quilombo São José da Serra e de sua liderança. Desenvolveu, por meio de sua assessoria, uma relação de colaboração com a comunidade. Para a utilização do recurso da emenda parlamentar, a Superintendência de Arquitetura, Engenharia e Patrimônio – SAEP – desenvolveu um projeto que, após muitos percalços em nove anos, será finalmente licitado e realizado.

Infelizmente, Toninho Canecão se foi, de forma rápida e inesperada, em consequência de um problema renal. Não teve tempo de ver terminada a obra da casa que será a sede da Associação da Comunidade Negra Remanescente do Quilombo da Fazenda São José da Serra, e que contará ainda com uma cozinha comunitária e com alojamento para visitantes.

Ao grande Mestre Toninho Canecão, a Universidade Federal Fluminense, representada em seu funeral pelas professoras Elaine Monteiro (FEUFF/Pontão Jongo/Encontro de Saberes) e Hebe Mattos (LABHOI), só tem que agradecer.

A UFF se solidariza com a família do Mestre e com a comunidade negra do Quilombo São José da Serra. Que a memória e o legado de Toninho Canecão sustentem as parcerias entre universidade e comunidade no ensino, na pesquisa e na extensão, na perspectiva do enfrentamento do racismo, da valorização do patrimônio cultural, do direito à terra, do direito à liberdade e do direito à vida.

Link do filme “Terra é Liberdade”, realizado em 2015 no LIDE/UFF – Laboratório de Imagem Documental em Educação. https://www.youtube.com/watch?v=bym4-vdVRHU&t=53s    
 Fonte: UFF

Categorias:NotíciasTags:, , , , , ,

1 comentário

  1. Tem pessoas que não deveriam morrer. Que sua vida seja inspiração

    Curtido por 1 pessoa

Deixe uma resposta para Solange Castellano F Monteiro Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: